11.2.10

PRF rechaça reportagem de Zero Hora

A Polícia Rodoviária Federal encaminhou nota oficial ao jornal Zero Hora, discordando da forma como foi tratada na reportagem “Queda no número de agentes ilustra decadência da PRF no Estado”, publicada no último domingo (07/02/2010). “As estatísticas operacionais repassadas aos jornalistas da Zero Hora mostram, de forma clara, que houve redução na quantidade de mortes e estabilização do número de feridos nas rodovias federais gaúchas em 2009”, diz a nota. Segundo a PRF, os dados também indicam aumento dos flagrantes de infrações de trânsito, de pessoas presas e de apreensões de produtos contrabandeados. “Desta forma, convém perguntar: não é simplista avaliar uma instituição

observando unicamente a quantidade de servidores?” – indaga o texto. E acrescenta:

”Os resultados positivos alcançados pela PRF, mesmo com a histórica e pública carência de pessoal, mostram que a corporação compensa o baixo efetivo com empenho de seus quadros e investimento na infraestrutura de fiscalização. Em 2009, o Departamento de Polícia Rodoviária Federal injetou mais de R$ 22 milhões no Rio Grande do Sul, adquirindo viaturas, etilômetros e computadores portáteis. Para melhorar a eficiência e a agilidade no atendimento das ocorrências, a Polícia Rodoviária Federal instalou base de operações aéreas em Canoas e designou helicóptero para ser empregado no estado”.

”Ao longo do ano”, conclui a nota, “os agentes da Polícia Rodoviária Federal fiscalizaram 630 mil veículos, registrando a marca de uma abordagem por segundo nas estradas que cortam o Rio Grande do Sul”. “Mais de dois mil motoristas foram interceptados pela PRF enquanto dirigiam sob efeito do álcool, e mais de 200 mil veículos foram flagrados enquanto trafegavam com excesso de velocidade”.

Para ZH, que recebeu estes números, a PRF é uma polícia esgotada no Rio Grande do Sul.

Fonte: RSurgente

2 comentários:

otário disse...

Só resta à ZH realizar uma pesquisa acerca das ações da Brigada Militar e fazer um comparativo.
Aliás, o grupo RBS bem que poderia sair com a câmera na mão e muita m na cabeça, como sempre foram, e mostrar o "efetivo" da polícia estadual no governo Yeda. Seria interessante lembrar que grande parte do efetivo da Brigada é de policiais temporários, aqueles que desenvolvem atividades burocráticas, enquanto a população precisa de proteção.
O meio* de comunicação, bem que poderia também pesquisar se as autuações que a polícia rodoviária estadual são por algum tipo de crime (como roubo, assalto, tráfico ou contrabando) ou se é apenas pra tentar pegar quem não pagou IPVA.
Ainda, pesquisar sobre a "ficha" da maioria dos PMs gaúchos que tem sérios problemas psicológicos e não tem as mínimas condições de prestar segurança...

* ZH é um meio porque não tem princípio nem fim!

Midi@ética disse...

* ZH é um meio porque não tem princípio nem fim

E, segundo o cartunista Santiago, é o único jornal que se d[a nota: ZERO!